Transformar lixo em arte, mesmo.

Chris Jordan é um artista fotográfico que usa sua obras de arte para trazer a consciência para um problema grave de nosso tempo - o consumismo. Visto de longe suas imagens parecem recriações modernas de obras de arte famosas, mas assim que o espectdor se aproxima, é confrontado com milhares de fotografias de resíduos reunidos em uma bela imagem.

Ele tem sido chamado de "o artista do movimento verde" pela sua capacidade de enviar mensagens claras sobre o consumo de massa através de belas imagens que depois podem perturbar o espectador. Apesar de sempre ter interesse por fotografia, estudou a faculdade de direito e se tornou um advogado corporativo que só dedicava algum tempo livre ao seu passatempo favorito. Seu pai, um empresário, também tinha sido paixão pela fotografia e Chris se lembra que ele "ficava cheio de pesar" por não praticar seu hobby em tempo integral. Assim, determinado a não repetir o erro do pai, o jovem advogado se mudou para Seattle, e largou o terno e dez anos de exercício da advocacia, para dedicar sua vida à fotografia.



Foi definitivamente uma jogada arriscada, mas finalmente, uma inspiração com o sucesso de suas primeiras exibições em Nova York e Los Angeles impulsionou sua carreira. Chris Jordan chegou a abordar o consumismo por acaso. Ele havia tirado fotos de uma pilha de lixo e achou bonita devido à sua complexidade e grande gama de cores, mas quando viu o seus amigos conversando sobre consumismo, teve a idéia para seus projetos futuros.


Usando alguns truques digitais, Jordan consegue montar suas imagens únicas de dezenas, às vezes centenas de milhares de fotografias de resíduos. Ao invés de usar milhares de peças individuais de lixo, ele usa apenas algumas centenas, que são fotografados mais e mais. Ele demora algumas semanas para construir digitalmente uma de suas imagens, mas se ele usar peças individuais, ele provavelmente iria levar um ano para concluir um projeto.


Veja mais imagens:










Todas as imagens e suas descrições são copyright de Chris Jordan.
Texto traduzido do Oddity Central

Comente com o Facebook: